Virginia Woolf contra Damares

VIRGINIA WOOLF CONTRA DAMARES

“Menino veste azul, menina veste rosa!”. Foi com tal frase, enunciada de forma efusiva, que a ministra da “Mulher, Família e dos Direitos Humanos” viralizou mais uma de suas declarações. Logo as redes sociais foram enxurradas de fotos de meninas de azul e meninos de rosa.

Damares Alves se defendeu, afirmando ser uma “metáfora”. De fato, o seu significado não estava no entendimento literal. O enunciado da ministra não implica na imposição de que menina só pode vestir-se de rosa e menino só pode vestir-se de azul. A metáfora representa a fixação de padrões de masculinidade e feminilidade e, de fundo, a ideia de que “homem é homem” e “mulher é mulher”, ou seja, a biologização do debate de gênero – ou, mais ainda, a sua supressão. Nesse sentido, um dos seus principais alvos foram as pessoas trans e todo um conjunto de identidades que extrapolam a fixação e polarização do tipo sexo forte/frágil.

Em 1928, no entre guerras, a inglesa Virginia Woolf publicava “Orlando”. O livro é anterior as contribuições filosóficas e históricas de Simone de Beauvoir, por exemplo, que muito contribuiu em meados na década de 1950 para o rompimento dos olhares biologizantes sobre homens e mulheres. Foi um importante suporte teórico para que a condição da mulher e a desigualdade social entre homens e mulheres fossem compreendidas como um produto histórico-social, não mais como um destino.

“Orlando” é uma obra em que sua narrativa ficcional transcorre dos séculos XVI ao XX. Nos oferta uma visão – a partir especialmente de Londres – dos hábitos, condutas e paisagens das diferentes épocas em que Orlando, personagem principal, vivência. As reflexões sobre a literatura de cada época abundam. Orlando quer ser poeta. Ou poetisa. Sim, Orlando ao longo do texto e do avanço de época vai transformar-se em mulher. Mais que uma obra com seus refinados recursos literários, escrita como se fosse biográfica, “Orlando” é transgressora em seu tempo e, ao que presenciamos, ainda chocaria em nosso tempo.

Nos permitam a reprodução de uma longa passagem do texto:

“Pois aqui novamente chegamos a um dilema. Embora os sexos sejam diferentes, eles se confundem. Em cada ser humano ocorre uma vacilação de um ser para o outro. E frequentemente são apenas as roupas que mantêm a aparência masculina ou feminina, enquanto interiormente o sexo é aquele oposto ao que está à vista. Das complicações e confusões que daí resultam, cada um teve experiências; mas aqui deixamos o problema geral e observamos apenas o efeito ímpar que isso teve no caso particular de Orlando.

Pois foi esta mistura de homem e mulher, um preponderando, depois a outra, que frequentemente dava à sua conduta inesperada reviravolta. As curiosas perguntariam, por exemplo, se Orlando era uma mulher, como não demorava mais do que dez minutos para se vestir? E suas roupas não eram escolhidas ao acaso e às vezes não estavam até um pouco gastas? Então responderiam, ainda, que ela não tinha a formalidade de um homem nem o amor masculino pelo poder. Ela possuía um coração excessivamente terno. Não suportava ver um burro ser espancado nem um gatinho ser afogado. Contudo, novamente observavam que detestava assuntos domésticos, levantava-se de madrugada e saía pelos campos no verão antes do nascer do sol. Nenhum fazendeiro conhecia melhor as colheitas do que ela. […] No entanto, é difícil dizer se Orlando era mais homem ou mais mulher, e isso não pode ser resolvido agora.” (p. 114)

As diferentes possibilidades de se experimentar masculinidades e feminilidades, ou mesmo a própria ideia de androginia, atravessam as palavras de Virginia Woolf. As imposições normativas de gênero funcionam como camisa de força que determinam lugares e condutas para homens e mulheres frente os quais teríamos que nos encaixar. Por isso, o discurso que está por trás daqueles que afirmam existir uma “ideologia de gênero” é, ao contrário do que afirmado, o mais ideológico e normativo-impositivo que existe; é o discurso que anula as possibilidades de autonomia dos sujeitos e de podermos experimentar a humanidade em sua plenitude.

Gostar de matemática ou de geografia, entender de mecânica ou de cuidados. Nada disso é destino, tampouco reduz aquilo que somos (ou o que não podemos ser). Talvez, se estivesse viva, Virginia Woolf diria: a construção das nossas identidades e as nossas vivências não cabem em um vestido, Damares. Seja azul ou rosa.

Lucas Menezes Fonseca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s