Asfixia (Franco Berardi)

BERARDI, Franco. Asfixia: capitalismo financeiro e a insurreição da linguagem. São Paulo: Ubu editora, 2020

A obra contém dois ensaios do autor. “Insurreição: poética e finanças”, originalmente publicado em 2011, dialoga com os efeitos da crise econômica de 2008, o colapso neoliberal e as mobilizações de massa que emergiam. “Respiração: caos e poesia” é o segundo ensaio e data de 2018, no contexto de ascensão do “trumpismo”, mas retomando discussões do texto anterior (o que deixa o livro um pouco repetitivo). 

Para o filósofo italiano, vivemos em um mundo de “hiperabstração digital-financeira” que está liquidando o “corpo vivo do planeta” e o nosso “corpo social”. A economia, reduzida a finanças, perdeu seus vínculos territoriais e com a produção material, abrindo “caminho para a proliferação desterritorializada e rizomática das relações de poder econômico”. Se o dinheiro é separado do seu referente, similar ocorre na linguagem, onde as palavras perdem seus referentes semióticos. Dinheiro e linguagem passam a se autorreferenciar pelos mercados financeiros e pela cadeia algorítmica da infoesfera, nos condenando a uma “escravidão matemática” e uma vida cada mais automatizada (e brutalizada). 

No capitalismo semiótico o aumento da produtividade é a aceleração da infoesfera que exige uma superexploração do cérebro social e nos leva ao colapso mental. A nossa sociabilidade deixou de ser “conjuntiva” para ser “conectiva”. Uma mudança de caráter antropológico que reformata nossos processos cognitivos. A conjunção é o devir no outro, exige relação corpórea, já a sociabilidade conectiva promove uma interação funcional e cada vez mais matematizada pela linguagem digital que, sem margens para ambiguidades, vai minando nossa sensibilidade e empatia (obstáculos à rapidez e eficácia econômica). A ansiedade, o pânico, a depressão e a ideação suicida crescentes são sintomas de um mundo que minou as relações afetivas e de solidariedade social.

Para Bifo, como é conhecido, está na linguagem poética e na arte as ferramentas necessárias para criar sentidos e experiências que nos permitam escapar da “asfixia” da máquina tecnolinguística. Algumas discussões, que aparecem sempre muito fragmentadas, beiram o “nonsense” e, ao fim, a sensação é de uma atitude de resignação frente ao caos e o automatismo capitalista.

Entendo que Bifo propõe criar experiências de fuga coletiva pela subversão da linguagem poética e acomodação performática ao caos e a indeterminação reinantes no mundo, ao invés de construir formas estáveis de sociabilidade solidária. Tributo a ser pago pelos seus referencias teóricos, a exemplo de Gattari e Deleuze, sua rejeição à várias categorias da economia política e a teoria do valor-trabalho. Todavia, é uma leitura interessante para pensar algumas dimensões da articulação do capitalismo com as tecnologias digitais.

Lucas Menezes Fonseca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s